HOME   CONTACT   CONVERTER   VIDEO   TECHNICAL 

 

5

Classic Bikes

Custom Bikes

Racing Bikes

 

AC Schnitzer

Adler

AJP

AJS

Alfer

Aprilia

Ariel

Arlen Ness

ATK

Bajaj

Bakker

Barigo

Benelli

Beta

Big Bear

BigDog

Bimota

BMS Choppers

BMW

Borile

Boss Hoss

Boxer

Brammo

Britten

BRP Can-am

BSA

Buell

Bultaco

Cagiva

Campagna

CCM

Confederate

CR&S

Daelim

Deus

Derbi

DP Customs

Drysdale

Ducati

Dunstall

Exile Cycles

Factory Bike

Fischer

Foggy Petronas

GASGAS

Ghezzi Brain

Gilera

Harris

Harley Davidson

HDT

Hesketh

Highland

Honda

HPN

Horex

Husqvarna

Husaberg

Hyosung

Indian

Italjet

Jawa

Junak

Kawasaki

KTM

Kymco

Laverda

Lazareth

Lehman Trikes

LIFAN

Magni

Maico

Matchless

Matt Hotch

Megelli

Midual

Mission

Mondial

Moto Guzzi

Moto Morini

MotoCzysz

Motus

Mr Martini

MTT

Münch

MV Agusta

MZ

NCR

Norton

NSU

Oberdan Bezzi

OCC

Paul Jr. Designs

Piaggio

Radical Ducati

Richman

Ridley

Roehr

Roland Sands

Royal Enfield

Rucker

Sachs

Saxon

Sherco

Suzuki

Titan

TM Racing

Triumph

Ural
Velocette

Victory

Viper

Vincent

Vilner

VOR

Voxen

Vyrus

Wakan / Avinton

Walz

Wrenchmonkees

Wunderlich

Yamaha

Zero

   

Honda CB 300R

 

 

 

°

Make Model

Honda CBR 300R and CB 300RA

Year

2010

Engine

Four stroke, single cylinder, DOHC, 4 valve per cylinder.

Capacity

291.6 cc / 17.8 cub in.
Bore x Stroke 79 x 59.5 mm
Cooling System Air cooled
Compression Ratio 9.0:1

Induction

PGM-FI electronic fuel injection

Ignition 

Electronic
Battery 12 V,  6Ah
Starting Electric
Spark Plug NGK DPR9EA-8S, NGK DPR 9EA-9S
Clutch Wet multiplate hydraulic clutch

Transmission 

5 Speed constant mesh
Final Drive Chain
Primary Drive Ratio 2.875:1
Final Drive Ratio 2.846:1
Gear Ratios 1st 3.166 / 2nd 1.941 / 3rd 1.380 / 4th 1.083 / 0.884:1
Maximum Power 19.4 kW / 26 hp @ 7 500 rpm
Maximum Torque 27.6 Nm / 2.81 kgf-m / 20/35 lb/ft @ 6 000 rpm

Front Suspension

Telescopic fork
Front Wheel Travel 130 mm / 5.1 in

Rear Suspension

Monoshock
Rear Wheel Travel 105 mm / 4.1 in

Front Brakes

Single disc, 276 mm

Rear Brakes

Drum, 130 mm

Front Tyre

110/70-17M/C 54H

Rear Tyre

140/70-17M/C 66H
Rake 25.1°
Trail 97 mm / 3.9 in
Dimensions

Length  2085 mm / 82.1 in

Width      745 mm / 29.3 in

Height  1040 mm / 40.9 in

Wheelbase 1402 mm / 55.2 in
Seat Height 781 mm / 30.7 in
Ground Clearance 183 mm / 7.2 in

Dry Weight

CB 300R:    146 kg / 322 lbs

CB 300RA: 149 kg / 329 lbs

Maximum Loading Capacity

179 kg / 395 lbs

Oil Capacity 2.0 Litres / 0.53 US gal

Fuel Capacity 

18 Liters / 4.8 US gal

Reserve

3 Litres / 0.79 US gal

Reserve

Silver, Black, Red, Gold

Honda Brazil has finally launched its new entry level naked, the replacement to the CB250 twister - the CB300R. For the time being, Honda will sell this new naked only for Brazil and then South America. The evolution of the Honda CB will enter Europe after confirmation from Honda in the autumn.

Honda CB300R is powered by an air cooled 291cc, 4-valve double overhead camshaft, 4 stroke and single cylinder engine. This engine will give power about 26hp @7500 rpm and a torque of 2.9 kgf-m at 6000 rpm. Equipped with Honda’s Electronic PGM-FI system, the 143 kg bike (dry) will have big possibility to enter the European market considering this Honda’s FI make the engine green and passing the Euro emission regulation.

At the front equipped with a 276 mm disc. At the back there is a 130 mm drum brake, unlikely to its Enduro brother Honda XR.

The styling is borrowed from its bigger brother, Honda CB600F Hornet. Honda CB300R has a suggested price of $ 11,490.00. It is higher than the Honda CBX Twister at $ 9,600.00. The customers can choose four color option including silver, black, red and gold.

 

No último Salão Duas Rodas, em outubro do ano passado, a Honda apresentou uma CB 300R como versão limitada e comemorativa para os 40 anos de atuação comercial da marca no Brasil. Mas essa moto poderia muito bem ser comemorativa ao seu próprio sucesso. É essa moto que Motonline apresenta neste teste completo.
Honda CB 300R traz a receita vencedora: identidade da marca, moderna, confiável, confortável e versátil

Honda CB 300R traz a receita vencedora: identidade da marca, moderna, confiável, confortável e versátil

Lançada em junho de 2009 como substituta da Twister 250, a CB 300R é uma moto que segue os passos da antecessora, que acabou sepultada por conta da entrada em vigor do Promot 3. Ela surgiu moderna naquele momento e continuou oferecendo “mais do mesmo”. Como dizem os filósofos do futebol, “em time que está ganhando não se mexe”. A Honda manteve a CB 300 urbana, confortável, rápida, resistente e confiável. além de ser capaz de levar tudo isso para as estradas também, com limites de velocidades bem alinhados com as letras da legislação. Para o consumidor, a conclusão é: “Comprar mais pra quê?”. Simples assim.

E os números de venda do modelo provam que a fábrica acertou. Desde seu lançamento, em junho de 2009, ela atrai muitos consumidores que deixam a categoria de entrada para dar um passo adiante na escala natural dos motociclistas. A Honda CB 300 tem sido a preferida, mas as qualidades da rival Yamaha são inegáveis e seus números também são bons, vendendo tudo o que produz. Fica a dúvida: se a Yamaha oferecesse mais da sua Fazer 250 ao mercado, tiraria consumidores da Honda CB 300R?
Média consistente de vendas para as duas rivais: segundo degrau na escala

Média consistente de vendas para as duas rivais: segundo degrau na escala

Na mexida geral que a Honda deu em 2009, foi adicionado um sistema de catalizador no escapamento e um sistema de injeção eletrônica para atender o controle mais rígido. Essa adição, entretanto, forçou a engenharia da Honda a aumentar a cilindrada, pois só a injeção eletrônica não seria suficiente para manter o mesmo desempenho, já que a restrição que o catalizador faz no fluxo de gases tem que ser compensada de alguma maneira. Daí a nova denominação – CB 300R.

Outras características se destacam na CB 300 R. Maior e parecendo mais pesada, dá uma primeira impressão que é muito pesada. Nada disso. Qualquer piloto já se sente a vontade e com muita confiança logo de saída. A posição ereta, mas levemente abaixada mostra a atitude urbana da moto, mas que pode dar boas incursões pelas estradas. Ela é o que se pode chamar de “moto amigável”. Não se exige muita experiência para sair pilotando ela por aí sem qualquer enrosco. Ela é capaz de agradar inclusive os pilotos mais experientes e mais pesados, que normalmente reclamam de falta de força. O torque está lá sempre e ela se sai muito bem em qualquer situação.
CB 300R em Versão limitada com pintura especial

CB 300R em Versão limitada com pintura especial

Nas cidades

O desempenho nas cidades é exemplar. A CB 300R é uma moto muito ágil. De fato, o torque em baixas rotações facilita nas retomadas e manobras no meio do trânsito, sem ter que trabalhar tanto na embreagem. A relação das marchas também ajuda nisso: primeira e segunda é tudo que você usa no trânsito lento e pesado e por isso facilita mais ainda.

Os pneus mais largos em rodas de liga leve adicionam em conforto e segurança, contando com a colaboração da suspensão mais bem calibrada. O assento do piloto e a ergonomia ajudam bastante. Nesse banco cabe um garupa razoavelmente bem acomodado. Há duas boas alças que podem auxiliar na amarração de carga. Se houver o garupa, há necessidade de colocar um bauleto para levar bagagem.
Nas estradas

O desempenho nas estradas compara-se a qualquer outra 250. Ela é mais forte que a Twister e mantém quase a mesma velocidade final. Porém, a aceleração e torque melhoraram muito. Afinal, os 50cc a mais não fazem tanta diferença quando se adiciona o catalizador no escapamento. Esse é o preço a pagar para uma atmosfera mais limpa.

Esse motor fica mais confortável em velocidades médias de cruzeiro, mas ainda assim em rotação alta, o que não é muito conveniente manter por longas horas em qualquer tipo de moto. O ideal é manter uma velocidade entre 80 e 90 Km/h. Aí ela fica numa rotação mais confortável que vai promover maior durabilidade. Mas isso não quer dizer que ela não mantenha velocidades maiores com facilidade.

Em estradas mais travadas, como nas vicinais ela se destaca. O bom torque permite rodar com poucas trocas de marcha e tem aceleração adequada para arrancadas mais prezeirosas entre as curvas de baixa velocidade. Aí também se percebe como a ciclística favorece a pilotagem, com a colaboração estreita das suspensões bem calibradas, que aguentam bastante abuso. Pode-se entrar em curvas com superfície irregular que as boas respostas da ciclística ajudam a manter a trajetória, sem grandes interferências.

Técnica

Ciclística

 

A CB 300 R é uma moto confortável, com uma ciclística bem amigável

A CB 300 R é uma moto confortável, com uma ciclística bem amigável

A CB300 R tem uma construção muito similar à sua antecessora, inclusive compartilha de várias peças. O chassi é em tubos de aço formando um berço semi duplo com um monotubo por cima do motor. A seção traseira, em tubos mais finos, é soldada no módulo principal e a suspensão traseira continua conectada diretamente na balança, sem outras peças móveis.

A altura do banco é suficiente para a maioria das pessoas de estatura média e dá bom conforto para piloto e garupa. As pedaleiras, como na antiga Twister, permanecem muito próximas uma da outra. Calçando 42, o piloto sente o pouco espaço disponível para os comandos do freio e câmbio. Com garupa então, a interferência aumenta, com os dois disputando espaço para os pés e eventualmente dando “topadas” um com o outro.

Ela se mostra dinamicamente como uma moto rápida pela leveza que proporciona ao condutor e os números mostram como é obtido esse resultado. Um rake baixo, de apenas 25º14′ por sí só seria provocativo a instabilidades em linha reta, querendo entrar em curvas com uma leve ação do condutor e que poderia resultar em “shimmy”. Porém o trail proporcionalmente longo de 97mm neutraliza esse efeito, mesmo com a distância entre eixos ainda pequena, mas já maior do que a Twister. O resultado é uma moto com respostas previsíveis, mas que tem boa maneabilidade para uma condução descompromissada.

Suspensão

Quase a mesma, teve nova calibração para se adaptar às características do produto. Tem 130mm de curso na dianteira com tubos de 37mm de diâmetro no garfo. Já na traseira um amortecedor único inclinado e acoplado diretamente na balança traseira da conta do recado.

Motor
Motor musculoso para a categoria, com torque sempre disponível

Motor musculoso para a categoria, com torque sempre disponível

Já era bom na Twister e na CB 300R melhorou mais. Como o aumento da cilindrada foi conseguido através do aumento do diâmetro do pistão, o maior ganho foi no torque em médias e baixas rotações. Mas assim mesmo o resultado final foi que a redução da relação peso/potência de 7 Kg/cv para 5,4 Kg/cv na nova moto. Um número que resulta em grande melhoria (30%) nas acelerações, retomadas e controle do motor sobre a ciclística da moto como um todo, sem perder na resistência do conjunto propulsor.
Esse aliás apresentava nas primeiras unidades da série, um pequeno vazamento na tampa do cabeçote, que não implicava em maiores problemas do que um motor sujo e eventual perda de lubrificante, quando era excessivo. Esse problema foi resolvido com alterações na junta que veda essa peça.

Transmissão
Transmissão por corrente bem dimensionada

Transmissão por corrente, bem dimensionada

O trabalho do câmbio na condução da moto ficou mais fácil, sendo possível dispensar uma velocidade. Na CB 300R são 5 velocidades no câmbio. Há quem ache falta da sexta que havia na Twister, mas na verdade a maior elasticidade do motor pode de fato dispensar essa sexta marcha. Verdade também é que se mantivessem o mesmo número de marchas, o custo poderia não ser compensador para a fábrica e mais marchas representa uma pilotagem mais trabalhosa. Entretanto, a sexta marcha poderia ser uma boa solução para adequar melhor o motor a uma velocidade de cruzeiro maior, colocando as rotações do motor num regime de trabalho mais confortável, econômico e proporcionando maior durabilidade ao motor.

Nas estradas e vias expressas seria melhor, mesmo que exigisse baixar uma quinta para ultrapassagens e vencer aclives maiores nas vias rápidas. A embreagem de múltiplos discos em banho de óleo se mostrou irrepreensível, muito controlável, macia e resistente. Nunca mudou seu ajuste durante o teste, mesmo quando quente. A corrente permanece um pouco barulhenta como na versão antiga, mas corresponde com a dimensão da moto e características da transmissão, promovendo boa durabilidade. Uma corrente menor seria mais silenciosa porém, menos durável.

Freios
Novo freio a disco na traseira

Novo freio a disco na traseira

Muito eficientes e agora que conta com disco também na traseira ficou muito mais controlável nas frenagens mais intensas e mais modulável para ajustes de trajetória. Passa a responder com muito mais precisão. O já consagrado Combined ABS é item opcional nessa moto e faz bastante diferença, principalmente para condutores menos experientes. O dianteiro é composto de um disco simples de 276 mm de diâmetro com pinça de pistão duplo e o traseiro conta com com o disco com pistão único. Na versão C-ABS a pinça dianteira tem um pistão que trabalha combinado com o freio traseiro, trazendo parte da ação desse dispositivo para a frente. Assim há uma ação mais equilibrada na frenagem.

Acabamento

Típico Honda, o acabamento da CB 300R mostra como a empresa dá importância a esse quesito. Pintura impecável, materiais de primeira qualidade nas peças plásticas agregando um conjunto bonito que mantém essas qualidades por bastante tempo. Materiais de primeira linha fazem essa diferença.

Equipamentos
Painel completo e de fácil visualização

Painel completo e de fácil visualização

Numa moto street os equipamentos normalmente são os mais básicos, com a intenção da maior simplicidade e custo. Entretanto, na CB300R os equipamentos são acima da média. No painel tem um grande conta-giros analógico e um pequeno quadro digital para o velocímetro em números grandes. Outras informações aparecem nesse quadro: nível de combustível, relógio, odômetro parcial e total.

Tecnologia

Não se pode negar o investimento da fábrica em melhorias tecnológicas nessa motocicleta. A injeção PGM-FI, o painel eletrônico e a disponibilidade do C-ABS faz muita diferença. E com dois anos em produção já ganhou confiabilidade. Fica muito difícil perceber o que ainda pode melhorar. Mas isso já é um problema para a fábrica.

Source motonline.com.br

 

 

 

NOTE: Any correction or more information on these motorcycles will kindly be appreciated, Some country's motorcycle specifications can be different to motorcyclespecs.co.za. Confirm with your motorcycle dealer before ordering any parts or spares. Any objections to articles or photos placed on motorcyclespecs.co.za will be removed upon request.  

 Privacy Policy       Contact Me      Links